Itacaré Web Gospel

Translate

VERSÍCULOS BÍBLICO

Seguidores.

Google+ Followers

Comentários

Google+ Badge

Itacaré

BEM VINDOS AO PARAÍSO CHAMADO ITACARÉ - BA
Itacaré, pequena Cidade da Costa do Cacau, na Bahia, guarda inúmeras belezas naturais e culturais. Praias desertas cercadas de Mata Atlântica convivem com construções do período colonial e casarões do início do século XX.
Os surfistas procuram suas praias de ondas fortes, enquanto os ecoturistas encontram em Itacaré praias desertas com acesso por trilhas, além de cachoeiras no meio da mata.Os próprios moradores da cidade lutam para manter as áreas verdes intactas, mostrando que têm consciência ambiental. E não só consciência ambiental, pois eles preservam costumes importantes, como a capoeira, tão praticada em Itacaré.
HISTÓRIA


A cidade de Itacaré teve sua origem numa aldeia de índios Pataxós, onde o Padre Jesuíta Luis de Grã mandou construir, no início do século XVIII, uma capela, que ainda está em pé, sob a invocação de São Miguel. Tal povoado foi batizado como São Miguel da Barra do Rio de Contas, tornando-se município em 1732, inicialmente com o nome de Itapira e posteriormente Itacaré.
Contam os mais antigos que, durante a colonização, os índios constantemente atacavam os Jesuítas, que se viram obrigados a construir um túnel para fugir. Este túnel ligava o altar da igreja à Casa dos Jesuítas, mas foi aterrado.
Itacaré foi um importante porto durante a época em que o transporte marítimo predominava. Foi também um porto clandestino do reinado, pois a cidade de Rio de Contas, na Chapada Diamantina, tinha ligações com todas as cidades de Minas Gerais por meio de tropas e o Rio de Contas ligava a Chapada a Itacaré. Viajantes e garimpeiros, ao chegarem a cidade de Rio de Contas, preferiam seguir pela estrada beirando o Rio de Contas, pois encontravam melhores condições para viajar e também pela facilidade de acesso até o porto de Itacaré, criando assim, na época, um gigantesco contrabando de pedras preciosas. E, devido a esse constante tráfego de mercadorias, despertou-se o interesse de Piratas que ficavam escondidos nos arredores do porto de Itacaré para roubar os diamantes e as mercadorias dos viajantes. Com o desenvolvimento das estradas, o porto passou a servir apenas para pesca.
O cultivo do cacau iniciado no final do século XIX impulsionou o crescimento econômico de Itacaré, sendo um dia sua principal atividade. Porém seu declínio fez Itacaré entrar numa lenta decadência.
A construção da BR-101, na década de 60, consolidou o processo de crescimento das cidades interioranas, sobretudo aquelas margeadas pela rodovia em questão. Itacaré não integrou-se a esta nova dinâmica, permanecendo em um certo isolamento, fato que, de certa forma, explica sua preservação. Durante muitos anos, o difícil acesso (54Km de estrada de barro e cascalho) manteve a cidade fora do tempo. A construção da BA-001, que percorre o litoral baiano, está fazendo com que a antiga cidadezinha se volte para o turismo.
Itacaré cresceu em direção às praias, e assim nasceu a Pituba, bairro colorido e típico, onde a rua principal é o Caminho das Praias. O bairro da Concha foi recentemente aberto à urbanização, e concentra hoje as principais pousadas da cidade.
TURISMO

Rio de Contas: nasce na Chapada Diamantina e percorre mais de 400km até se diluir no mar de Itacaré. Navegando por ele, seja de barco, lancha ou canoa, você pode encontrar lindíssimas cachoeiras no interior da mata, manguezais e fazendas de cacau.
Cachoeira de Cleandro: acesso através do Rio de Contas, de barco ou de canoa. A cachoeira se encontra dentro de uma fazenda que possui roça de cacau, cravo e criação de guaiamum. Uma caminhada de 10 minutos leva até ela. São 3 quedas lindíssimas com uma piscina natural ótima para banho acima delas. Na fazenda existe um restaurante que serve tira-gostos e bebidas.
Cachoeira do Tijuípe: o acesso é pela estrada parque que liga Itacaré a Ilhéus. Uma trilha curta e leve leva até a cachoeira que possui uns 4m de altura por 15m de largura, com uma piscina natural deliciosa para banho.

Praias Urbanas
Praia da Coroinha: atracadouro de barcos da orla da cidade, não aconselhada para banhos. Existe hoje um projeto de reurbanização desta praia que foi o antigo caminho para navegação dos barcos de cacau.
Praia da Concha: é considerada uma praia familiar, de águas calmas e com a mais completa infra-estrutura turística de Itacaré, incluindo cabanas de praia e pousadas. Do lado esquerdo da praia existe um mirante de pedras naturais chamado Ponta do Xaréu, ótimo para apreciar o pôr-do-sol. Do seu lado direito, existe um farol de sinalização para barcos.

Praia do Resende
: pequena enseada com imensos coqueiros, areia branca e fofa e boas ondas. Sem infra-estrutura.
Praia do Costa: praia pequena e deserta, com vegetação ao seu redor. Possui ondas fortes, areia branca e fofa.
Praia da Tiririca: praia mais badalada, é o pico da moçada. Possui ondas fortes, boas para prática do surf, areia branca, coqueiros e morros. Possui pouca infra-estrutura: 2 cabanas e 3 pousadas.
Praia da Ribeira: última praia urbana. Possui uma vegetação densa que termina na areia, tornando o visual maravilhoso, e uma piscina natural. Cabanas e restaurantes fazem com que a praia fique lotada nos fins de semana e feriados.
Praias por trilhas
Prainha: a trilha tem início na Ribeira. Mais ou menos uns 50 minutos de caminhada para chegar numa praia que talvez seja a mais bela de Itacaré. Rodeada por coqueiros, não possui nenhuma infra-estrutura, apenas uma barraca de água de côco. Ondas fortes boas para o surf.
Praia de São José: praia pequena, com ondas fortes e areia fofa. O acesso é pelo Complexo Ecoturístico Villas de São José. Possui restaurante e quiosque do próprio Complexo.
Praia de Jeribucaçu: trilha pesada, passando pelo meio de uma erosão e Mata Atlântica. Praia paradisíaca, com um riacho, muitos coqueiros, ondas fortes e nenhuma infra-estrutura.
Praia da Engenhoca: trilha de leve grau de dificuldade pela Mata Atlântica. Muito freqüentada por surfistas devido às suas ondas boas. Riacho, areia batida e nenhuma infra-estrutura turística.
Praia da Camboinha: a trilha é de médio grau de dificuldade por dentro de uma fazenda. Praia extensa e deserta com areia batida, coqueiros e ondas fortes. Não possui nenhuma infra-estrutura turística.

Praia de Hawaizinho
: a trilha é a mesma da Engenhoca; a praia de Hawaizinho se encontra na metade do caminho. A vista por cima, de um mirante natural, é maravilhosa. A praia também é lindíssima, pequena, com coqueiros e ondas fortes.
Praia de Itacarezinho: recentemente abriu-se uma estrada de chão que chega quase na praia. Extensa com coqueiros e ondas. Possui apenas uma barraquinha que vende água de côco.

Pontal e Piraganga
: ao norte de Itacaré, do outro lado do Rio de Contas. O acesso é de barco, canoa ou balsa. São mais de 20km de areia, coqueiros e ondas fortes.
Atrativos Históricos
Igreja São Miguel: construída pelos jesuítas em uma parte alta da cidade para visualização da boca da barra, por onde as grandes embarcações entravam. Construção iniciada em 1718 com o término em 1723.
Casa dos Jesuítas: construída na mesma época da Igreja São Miguel, possuía um túnel de ligação entre as mesmas para fuga dos jesuítas dos ataques indígenas.
Casarões: foram construídos a partir de 1900, época do ciclo do cacau. Possuíam 3 estilos: sobrados (onde moravam os coronéis), casas de porão alto (onde moravam os comerciantes e pequenos agricultores) e casas térreas (onde moravam pessoas de uma classe mais baixa).
Farol: na Praia da Concha, tinha a finalidade de orientar as embarcações de cacau. Após a sua restauração, dizem os antigos pescadores que ficou sendo o único farol quadrado do mundo.
                                                    Farol


                                                        Sol nascendo
           



Nenhum comentário:

Pesquise Aqui!

Itens compartilhados de Marcelo

Musicas

Ocorreu um erro neste gadget

Minha lista de blogs